Olá Visitante! Bem-Vindo ao Coletivo Editorial

Minha Conta | Meu Carrinho 0

Bem-Vindo ao Coletivo Editorial

Categorias
Obra
Home
 
Coletivo-Editorial-MAZ-0090.png

Cipotânea

José Geraldo Heleno

 
 
ISBN: 978-85-71604-05-6
 
 
232 páginas
 
 
Tamanho: 14 X 21 cm

R$ 30,00

ou compre partes separadas:

 

Descrição

Os interessados na história dessa cidade da Zona da Mata Mineira vão encontrar nele casos e mais casos intrigantes das famílias que povoaram a região do antigo lugarejo de São Caetano do Xopotó, hoje a cidade de Cipotânea. Esses leitores vão se aproximar da própria história. Há outro tipo de leitor que vai se deliciar com o estilo do pesquisador meticuloso, às vezes irônico, sempre mineiro, ao narrar a urdidura dos acontecimentos históricos e humanos presentes nesse ce­nário típico do interior do Brasil no transcorrer do século que acabou.

 

A euforia tomou conta imediatamente de alguns, que saltaram logo dos andaimes, atiraram as ferramentas no meio da areia e dos montes de ripas e e pau-a-pique, e se puseram a gritar de alegria, subindo a calçada de pedras marroadas, na direção da igreja. O pânico tomou conta de outros, inseguros quanto ao que fazer da vida. Se o caminho da Boa Vista lhes apontava um mundo maior, o Morro das Pedras surgia-lhes como muralçha de confinamento. Aterrorizava aos mais reflexivos a possibilidade do abandono; aos mais velhos, a carência de forças; a muitos, o que comer naquela tarde, ou onde dormir naquela noite.

As pedras da barragem dos moinhos, que construíram para o sogro do jovem que ocuparia aquela casa em obras, eram pesadas. A água, que corria sobre elas, era fluida cojmo o tempo, e continuaria correndo para sempre sobre as rochas.

 

Parodiando o Evangelho, que algumas vezes ouvira do padre Pedro e, mesmo do próptio Werneck na igreja, algum negro se lembra de Lucas, e se sentira fera acuada: as raposas têm covas, e as aves do céu. ninhos; mas o escravo liberado não terá onde reclinar a cabeça. Teria olhado as janelas da casa da frente, sem ver ninguém. Na casa abaixo, o mesmo quadro. Não sabemos se de receio, sem medo, a rua deserta daquele dia (sobre o 13 de maio de 1988).

 

Sugestões
Todos os direitos reservados - Coletivo Editorial